sábado, 9 de maio de 2009

Ahh Salto!

Minha vida no último ano aconteceu dentro do meu carro, eis que numa tarde chuvosa na BR 101 meu carro morreu. Sofri um acidente causado por um jovem garoto de 18 anos, e meu carro deu perda total. Estou no aguardo da seguradora e enquanto isso, curtindo transporte coletivo e caronas de colegas e amigos...
Toda tragédia tem itens bons...o acidente fez eu valorizar muito, muito, muito o simples fato de mover minhas pernas e caminhar até o ponto do ônibus. E o ônibus, ah o ônibus!!!
No ônibus pode-se perceber melhor a vida nas ruas, as mudanças na cidade, e ouvir histórias INCRÌVEIS!!! Assim como dentro dele me ocorreu um episódio hilário!
Certo dia, trabalhando de dupla com uma colega, na cidade de São Leopoldo, estragou meu salto. Pra minha sorte, a amiga possuia uma sandália do meu número em seu porta malas e imediatamente me emprestou. Era uma sandália de festa, com um salto gigante com acabamentos metálicos.
Ufa, coloquei, serviu, e por incrivel que pareça super confortável. Fui pra casa e prometi devolve-la assim que possível.
Belo dia de reunião na empresa, lembrei-me de levar a sandália, coloquei-a numa sacola, na mesma sacola coloquei uma pequena pasta com coisas de trabalho.
Visualise. A menina que só andava de carro estava dentro de um T8 L-O-T-A-D-O. Salto alto, bolsa pesada, e a bendita sacola com a pasta e o sapato.
Hora de descer... lá vou eu me deslocar até a porta de saída.
-Com licença.
-Desculpe.
-Ahh, desculpa!
-Licença...
-Obrigada.
Percebi as pessoas dando pulos a medida que eu passava espremida entre a fila dupla que se formara no corredor.
- Ah, assalto!!!!!!!!!!!
Como assim???? Tomei um susto, e percebi então que o sapato de salto rasgara a sacola e espetou as costas de um cidadão, bem próximo aos rins, onde os assaltantes "calçam" as pessoas na hora dos assaltos.
Todos se olham assustados, e eu, sem compreender muito, quando me dou conta:
- Não, não. É só um salto! Um salto! Não um assalto.
Ufa, desci do ônibus e cai em risadas!!!!
E com a sacola semi-rasgada, com dois saltos espetados pra fora cheguei exausta na minha empresa, contando então o pseudo-assalto que a sandália da Nadia acabara de cometer!!!

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Definitivamente, uma viagem!!!

No dia que criei o blog, fiquei pensando em qual história iria resgatar para inserir o primeiro texto. Eis que não foi necessário e de largada já surgiu uma situação pelo menos engraçada...



"O essencial é invisivel aos olhos, já dizia O cara."


E mais uma semana, mesmo destino. Poa - Brusque. Segunda feira, 14:50h. Encontrei meu parceiro (de viagem) e caimos na estrada. Sempre nos divertimos muito na estrada, carros iguais e o mesmo gosto por velocidade.Longa viagem!
Parada pro café*, parada pra relaxar...a noite caindo...cansaço. Mais de 400km deixados pra trás, e paramos pra jantar.
Tudo de boooommmm!!!! Filé de peixe, num restaurante bacana a beira mar. Sono, cansaço, vontade de tomar um banho e relaxar... então, que tal dar uma acelerada? Ok! "Tô dentro".
120...140...160...165..... ops, disso nao passa. 1.0! Alguns km a diante, uma polícia rodoviária nos esperando.
- Boa noite senhorita. Estão viajando juntos?
- Boa noite, sim estamos sim!
- Recebemos denúncias de que havia um pega de dois Celtas na estrada.- Nossa, como assim pega??
- Por que estão viajando a essa hora? Passeio?
- Não, estamos à trabalho, e como não conheço bem a estrada vou bem juntinha do meu chefe...até por que está tarde pra uma moça viajar sozinha né!?
- Bom moça, se viajam a trabalho, imagino que estejas preparada pra fazer um pega né? Afinal, domina o carro, a estrada...
- Ah seu guarda, até você com esse papinho xarope de pega com o chefe! Capaz!!!!
Seguiu o assunto de trabalho, e por fim o polícia encerrou dizendo que era ótimo abordar pessoas bem humoradas como eu, diferente dos caminhoneiros.
-Boa viagem, juízo!
-Obrigada, bom trabalho pro senhor.
E tudo seguiu como sempre, uma correria!

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Historias passageiras de uma mulher viajante...


Desde criança gosto de viajar, no entanto por falta de oportunidade nunca o fiz com frequência. Passados alguns anos, iniciei um relacionamento com um homem muito especial, junto a ele comecei a viajar pelo estado em busca de belezas naturais, em especial as cascatas e cachoeiras...
Percorremos juntos muito chão, estradas boas e ruins do RS e SC... Ao chegar nos destinos, sempre senti algo especial, existem recursos naturais que me fazem pensar que Deus realmente existe, pois a final, de quem seria obra de tamanho capricho?
Somada a paixão pela natureza (e pelo menino) existia um outro sentimento, um prazer enorme de estar na estrada. Amo o asfalto! Assim como não gosto menos das estradas de chão batido. Adoro as curvas, subidas, descidas e as retas...Gosto de perceber a noite caindo pelo retrovisor, deixando pra trás um por do sol de algum lugar que estou a deixar.
Anos e relacionamentos depois, tive uma oportunidade onde passei a viajar a trabalho, e as experiências e historias pra contar se multiplicam, e aqui estou para dividi-las.
Sejam bem vindos,
Cintia Mabilde