terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Regras x Felicidade

Lembro de certa vez que li um trecho de uma cronica, ou livro, da Martha Medeiros que falava que transgredir nossas regras é um sinal de que estamos aprendendo, ou desaprendendo, e que isso implica no nosso amadurecimento.

Estava em busca deste texto para dividir com uma amiga, porém, não o encontrei e de alguma forma, hoje vou escrever palavras perdidas que penso sobre isso e que gostaria de compartilhar.

O que é certo? o que é errado? Salvo as questões exatas do mundo (como por exemplo a matemática), o resto creio eu que seja variável e dinamico.

Matar é errado. Mas matar um bandido para defender uma cria é certo.
Chorar é ruim, mas se for de alivio, é bom demais.
Ser insensivel é defeito, mas para nossa sobrevivencia é importantissimo.
entre outros paradoxos da vida de verdade.

Crescemos aprendendo o que é certo e o que é errado. Mas além destes ensinamentos, precisamos aprender (e ensinar) que o certo e errado estão juntos, e dotados de nossos principios temos o poder de decidir o que realmente é melhor.

As vezes somos criados tão presos nestes ensinamentos de certos e errados que acabamos nos amarrando nisso e deixando passar muitas coisas, que no nosso intimo nos fariam verdadeiramente feliz.

Casar, ter filhos. Namorar com um homem correto, mais velho e responsavel.
Trabalhar, pagar contas e rezar.
Sorrir, agradecer e engolir sapos.

Mas Deus concede o direito de pensar e aprimorar nossos pensamentos e atitudes, e por um momento de descuido ele nos permite desaprender algumas coisas e ser feliz.

As regras são boas para as pessoas que com suas limitações não saberiam lidar com a diversidade.
Mas aos livres, Deus permite sim o dom da escolha, de aprender e desaprender os benditos mandamentos a fim de procurar por nossa felicidade.

Ser bom e correto não tem absolutamente nada a ver com regras.
Ser diferente não agride ninguem, exceto as pessoas que não respeitam nossas decisões e escolhas.

Casar não é uma regra importante. Importante é ser leal e fiel, seja a quem for.
Idade, aspecto, raça e genero... ahh, isso sabe-se há tempos que não é sinonimo de integridade.
Ahh, e Deus, sempre me perco falando nele. Não sei nenhuma das passagens biblicas, mas tenho uma certeza: se ele é bom, ele não irá nos punir e castigar se formos pessoas de bom coração, independente de nosso perfil e estereótipo.
Mães solteiras, homosexuais e tatuados podem ser pessoas melhores do que senhoras casadas que perturbam e disseminam a discórdia.

As vezes, quando o mundo acha que você está se perdendo, você está apenas se encontrado. E dificil é fazer as pessoas entenderem que suas escolhas a cerca de sua vida não interferem no aquecimento global, na conservação da floresta e na vida dos outros.


Só enxergo uma regra: jamais atropelar pessoas e principios. Sim! temos que nos manter pessoas boas, corretas, responsáveis. E creoi, que se todos se prendessem nisso, haveriam menos julgamentos desnecessários, menos conflitos e mais harmonia. Mais felicidade!
NOssa vida é unica, e passageira. Só há uma chance de tentar e ser feliz, e é hoje! Se não der certo, tentamos de novo e com os erros contruimos novos conhecimentos e novas perspectivas.
Isso é possivel sempre. Sozinho ou acompanhado. Mas bom seria poder tentar, acertar e errar, com as pessoas ao nosso lado. Mas se tudo der errado, lembre-se que há sempre a chance de deixar tudo para traz e iniciar, mesmo que sozinho, um novo caminho de felicidade.







Nenhum comentário:

Postar um comentário