quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Paixão: substantivo feminino

                  Mãos suadas, friozinho na barriga. Uma sensação de que horas passaram em apenas alguns minutos, pois, para os apaixonados, não há tempo que baste, distância que dificulte e nada, absolutamente nada que os traga de volta ao planeta Terra.
                 Quem nunca sentiu isso? E diria mais, quem já não sentiu isso várias vezes ao longo da vida? Para sentir-se várias vezes, percebe-se que é um sentimento embora intenso, volátil.
Agora meus questionamentos são: quanto tempo dura uma paixão? O que a traz e o que a leva?
Ja li que a paixão dura até 48 meses, não mais do que isso. (essa explicação cientifica sobre sensações, hormonios, etc.)
                Já vi menos tempo que isso, mas não recordo de ter visto mais. Descartando aqueles resgates temporários que após uma crise os casais deliciam-se em aminesia conjugal e por um determinado tempo esquecem de todos seus problemas e tentam brincar de casinha. (mas esse passa mais rápido ainda).
                A paixão é o que faz as pessoas aproximarem-se, compartilharem a vida e muitas, muitas historias. Para quem sabe, depois disso aflorar o tão esperado amor.
                Pelas minhas contas, sempre foi assim, algo tipo 2 anos muito bem vividos, depois um gelo, depois um leve fortalecimento do tal amor, e depois o engano.
                Sinceramente, se eu pudesse escolher hoje, eu preferia ficar com a paixão, pois nela ninguém tem defeitos, tudo é malhavel e o sucesso é garantido.
                Já o amor, é uma coisa que eu reservaria somente aos pais para com seus filhos. O sentimento que perdoa, que entende, que gosta até mesmo dos defeitos.
                Mas na vida real, da boca para fora é muito facil assumir erros, defeitos e características. É facil dizer que desculpa, mas ou sou muito azarada ou sempre me f%#o nessa hora.
                Meu temperamento é forte, considero-me uma pessoa razoavelmente inteligente e por este motivo questiono tudo que eu não estiver de pleno acordo. Sou teimosa, sou muito descontraida, autêntica e perturbadoramente espontânea. Quando as pessoas me conhecem atribuem pontos positivos para essas caracteristicas.
                Já quando elas além de conhecer começam a  conviver com minhas caracteristicas passam a apontar defeitos.
                Também não sou um monstro. Sei que tenho algumas atitudes e comportamentos que posso conter, medir e controlar. Mas por favor, entendam que as caracteristicas natas, se estão lá desde a minha concepção, não as perderei depois de uma cara feia e uma boa conversa.
                Eu adoraria me libertar dos meus defeitos e poder agradar a tudo e a todos. Mas na boa, seria eu igual a todo mundo? seria eu um chuchu? Sem gosto sem cheiro e sem nada...
                Vou cansar de escrever e não terei um pensamento formado a respeito desses sentimentos conturbados. Quero paixão, quero amor, quero tudo, mas na boa, cansa esse negócio hein?
               



Nenhum comentário:

Postar um comentário